Quatro Amigas e um Jeans Viajante

Crítica de Cinema – Texto publicado originalmente em A ARCA, em 12/09/2005.

Difícil entender o que fez os caríssimos cabeças d’A ARCA decidirem me despachar para assistir a Quatro Amigas e um Jeans Viajante (The Sisterhood of the Traveling Pants, 2005), comédia dramática juvenil que chega aos nossos cinemas nesta sexta-feira, quando esta tarefa caberia melhor à nossa digníssima representante nerd do sexo feminino, Srta.Ni. Afinal, esta fita é uma típica produção “para meninas”. Os caras enviam a nossa querida colunista para assistir a um suspense totalmente escuro como O Operário (que ela milagrosamente adorou) e despacham o Zarko aqui para ver esta fitinha “de garotas”. Vai entender. Por outro lado, melhor assim. Para a Srta.Ni, claro. Ela escapou dessa.

U kI xI PaXa Na KbXa DeXxXeX MiGuXuX? =]~*

Voltando, não que o fato de ser “filme de meninas” seja um problema, pra ser bem sincero. Até mesmo porque o ótimo Eleição e o “ainda-não-tive-coragem-de-ver-mas-todos-dizem-que-é-bacana” Meninas Malvadas (com a Rachel McAdams… ai, ai, ai) estão aí para provar que filmes juvenis podem, sim, ser bastante inteligentes. Infelizmente, não é o caso deste aqui. Quatro Amigas, dirigido por Ken Kwapis (diretor de muitos episódios de Malcolm In The Middle), até tem uma idéia interessante, daquelas que, se bem desenvolvidas, rendem uma produção no mínimo muito boa.

Entretanto, o roteiro de Delia Ephron (Mensagem para Você) e Elizabeth Chandler (Alguém como Você), inspirado no popular romance de Ann Brashares, não consegue (e aparentemente não quer) fugir do lugar comum e, falando sobre os ritos de passagem da adolescência à vida adulta e sobre laços de amizade, nos mostra tudo aquilo que já cansamos de ver, e melhor, em outras fitas espalhadas por aí. O que não o torna necessariamente ruim. É apenas… regular.

IxI ExE XaRkU Eh XaTu Pa DeDeU !!!! =]~*

Assim, conhecemos as tais quatro amigas do título: Tibby (Amber Tamblyn, a primeira vítima d’O Chamado), Bridget (Blake Lively), Carmen (America Ferrera, Os Reis de Dogtown) e Lena (Alexis Bledel). Elas nasceram praticamente ao mesmo tempo, e são companheiras inseparáveis desde sempre. Porém, aos 16 anos, elas decidem seguir rumos diferentes nas férias: enquanto a tímida e reservada Lena viaja à Grécia para visitar parentes distantes, Carmen, que carrega alguns complexos por ser gordinha e ter raízes latinas, passará alguns dias na casa de seu pai, em outra cidade; e enquanto a hiperativa Bridget se manda para o México para jogar futebol (?), a aspirante a documentarista Tibby decide ficar na cidade mesmo, fazendo alguns bicos para juntar dinheiro e comprar equipamentos para rodar seus filmes.

A grande novidade desta trama é que, num passeio às vesperas da iminente “separação”, as meninas entram em uma loja de roupas e descobrem uma calça jeans que, por incrível que pareça, cabe perfeitamente em cada uma delas, por mais que seus corpos sejam totalmente diferentes. Encarando aquilo como um sinal, a trupe faz um pacto: já que estarão separadas fisicamente, as quatro dividirão o jeans durante as férias. Cada uma delas usa a peça por uma semana e depois envia via FedEx (hey, Wilson!) para a próxima da lista, detalhando em carta os momentos bons e/ou ruins que passou utilizando a jeans. Que idéia!

XeNtI, eLaXx NuM LaVa RoPa NaUmXx ??? =]~*

A partir daí, Quatro Amigas divide-se em quatro segmentos, acompanhando a rotina das férias e os martírios de cada uma das garotas. E é exatamente aí que a coisa pega: com uma bela oportunidade de dissecar o comportamento e os problemas da fase adolescente em mãos, o roteiro desperdiça as milhares de alternativas para entregar-se às soluções mais fáceis.

Se você duvida, olha só a história de cada uma delas: na Grécia, a artista Lena apaixona-se por um jovem pescador chamado Kostos (o estreante Michael Rady), só para descobrir mais tarde que, ao melhor estilo “Romeu e Julieta”, seu namoro é proibido pois suas famílias são inimigas. Já Bridget, um ás da bola, usa de todo seu charme para tentar disfarçar seu sofrimento pela morte da mãe e conquistar o cara mais desejado do lugar, o jovem técnico Eric (Mike Vogel, O Massacre da Serra Elétrica). E o caso de Carmen é o mais fraquinho de todos: ela sente-se rejeitada pelo pai, que vai casar de novo e só tem olhos para sua noiva loira e aguada e os filhos desta. Em compensação, o segmento de Tibby – que nem comentarei aqui para não estragar a surpresa – é o menos fantasioso e mais realista de todos, e chega a ser moderadamente cativante, além de contar com o enorme talento da atriz-mirim Jenna Boyd, de Desaparecidas. Enfim, o grupo de meninas enfrenta todo tipo de pepinos, mas mantém-se erguido por conta da união entre todas, simbolizada pela calça viajante do título…

Ti NiNdOw IxXuUu !!! \o/ o// AxU k Vo XoLaAaA !! \\o ~

Ok, Quatro Amigas mescla uma pá de assuntos interessantíssimos e bem oportunos para a juventude de hoje em dia. Tibby, Lena, Bridget e Carmen lidam com situações sérias, algumas extremas até, e tentam não deixar a peteca cair. Isto é uma bela lição de moral para a garotada, embora ache que não adianta muito mesmo. Mas a boa idéia da história não diminui seus erros, como os diálogos que poderiam ser escritos até por uma criança – quando uma personagem soltou “A magia não está na calça e sim em nós mesmas”, senti o almoço voltar na garganta! – e as atuações regulares – até Alexis Bledel, de Sin City e a eterna Rory do ótimo seriado Gilmore Girls, está meio fraquinha. E meu, ressuscitaram a Nancy Travis! Eu tenho medo dela, pois quando penso na atriz, me lembro daquele Gasparzinho na cortina em Três Solteirões e um Bebê. Credo!

Como um ponto negativo extra, pelo menos para este que vos fala, que não suporta as coisas do gênero que surgem por aí, ainda podemos somar a irritante trilha sonora pop, lotada de canções “de rock” a la Avril Lavigne. Na real, Quatro Amigas e um Jeans Viajante não passa de um “capítulo de seriado juvenil de duas horas de duração”.

~ Eu GoXtU d AvRiL LaViGnI !! eLa Eh RoKeRa ViUuM !!! .vium ! ^^

Mas tudo bem. Isto, no fundo, é o que menos importa. Pois, como disse no início deste artigo, dá a impressão de que Quatro Amigas resultou propositadamente num mero produto voltado apenas à molecadinha que está descobrindo a adolescência agora. Não é uma produção ruim, não mesmo. Possui uma série de qualidades indiscutíveis e, por mais que a primeira hora seja meio maçante, ganha um pique violento em sua hora final. Mas não é recomendável aos usuários nerds deste recinto de modo algum. A fita é ótima e você vai adorar… se você é um(a) adolescente compulsivo(a) por shopping, apaixonado(a) por garotas(os) no estilo da moda e adepto(a) do tenebroso e asqueroso dialeto “miguxo”. Ah, whatever. O filme foi feito pra esta categoria mesmo. Se você se enquadra neste grupo, veja o filme, depois vá ao fast-food mais próximo, troca uns malhos com o menino ou a menina da mesa do lado e a vida continua. :-P

ExXxXTi CiTe Eh MuItU XaTu, KeRu Ir Pa CaXa AgOiAaAaH ~~ eXtI XaRkU FaLa MaUm Du FiLMi K Eh MuItU LiNdUxImMm I Eh Pa ToDu MuNdU Ve eLi !! \o/ ~~

Ah, desculpem as intervenções “miguxas” no texto. Aindo sinto fortes dores de cabeça depois daquela tortura mórbida chamada Coisa de Mulher, e às vezes fica tudo preto e eu acordo de pijamas no outro lado da cidade. Não sei porquê, acho que há alguma ligação aí… :-D

BjAuMmM !!!! BjUxXxXxX !!! =]~*

CURIOSIDADES:

• A calça jeans usada nas filmagens é da Levi’s.

• Se a maravilhosa Gilmore Mãe, a Lorelai… ops, a Lauren Graham, estivesse no filme, não importa o quão ruim fosse: eu assistia de novo!

• Desta vez, tomei cuidado para não falar mal da atuação de nenhum dos atores do sexo masculino do filme (até mesmo porque eles aparecem pouco tempo e sequer fazem qualquer coisa além de servir de estátua), pois, na última vez em que isto aconteceu, uma quadrilha de miguxas perigosas lotaram minha caixa de mails me xingando, só porque desci o sarrafo no Justin Chatwin em Guerra dos Mundos!

• Sou apenas eu ou mais alguém aí acha que a semi-desconhecida Blake Lively é a cara da Chlöe Sevigny? Só espero que ela não faça o que a loirinha topa-tudo preferida do Vincent Gallo fez em Brown Bunny! Ou melhor, espero que ela FAÇA. :-P

• Como vocês podem notar, não tinha muitas curiosidades disponíveis sobre este filme…

THE SISTERHOOD OF THE TRAVELLING PANTS • EUA • 2005
Direção de Ken Kwapis • Roteiro de Delia Ephron e Elizabeth Chandler
Baseado no romance de Ann Brashares
Elenco: Alexis Bledel, Amber Tamblyn, America Ferrera, Blake Lively, Jenna Boyd, Bradley Whitford, Nancy Travis, Rachel Ticotin, Mike Vogel, Michael Rady, Leonardo Nam.
119 min. • Distribuição: Warner Bros.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: