O Matador

Crítica de Cinema – Texto publicado originalmente em A ARCA, em 09/03/2006.

O Matador (The Matador)

Um assassino e um vendedor ambulante cruzam-se em um bar. Esta é a tagline que estampa o cartaz gringo da comédia policial de humor negro O Matador (The Matador, 2005), e também o único detalhe deste obscuro filme divulgado com precisão pela distribuidora. De resto, era tudo praticamente uma incógnita. E não preciso dizer, óbvio, que foi exatamente esta obscuridade que me fez madrugar na fila do cinema para ver esta pérola. Afinal, filme esquisito é comigo mesmo! Ah, até os mais malas como eu têm seus momentos-de-faniquitos-de-fã. É a essência do meu nerd interior. Ui ui ui. ;-D

Bem, voltando, não é só por ser aparentemente maluco que me senti estranhamente atraído por O Matador (esta expressão não pegou bem…): pra começar, qualquer comédia de humor negro é sempre bem-vinda. E se O Matador, dirigido pelo semi-desconhecido Richard Shepard, tivesse pelo menos metade do charme do ótimo O Anjo Assassino (na qual Alec Baldwin passeia por Miami eliminando qualquer um à sua frente) e da obra-prima Matador em Conflito (aquele do John Cusack fazendo terapia enquanto executa seus pequenos “serviços”), já estaria de muito bom tamanho. Sério, estas duas pequenas produções indie dos anos 80 e 90 me ensinaram que não há nada mais bacana que um assassino profissional como protagonista de filme de comédia. :-)

Dito isto tudo, temos então algumas ressalvas sobre este O Matador. Na verdade, tenho é um alerta a fazer: se você pretende conferir esta película, saiba que o buraco é mais embaixo. Porque o filme não é apenas “bizarro”. Ele é tão esquisito, mas tão esquisito, mas TÃÃÃO esquisito, que o espectador precisará de um bom tempo após a sessão para conseguir tirar o enorme ponto de interrogação que se instaurá em sua pobre cabecinha. Eu mesmo só consegui me decidir se gostei ou não do filme depois de várias horas do término da projeção… Se você não é chegado a coisas bizarras e prefere a segurança dos longas-metragens padrões do gênero, não vá assistir O Matador. Ou vá, mas por favor, não mande e-mails me xingando, tá? Hehehe.

O que acontece é o seguinte: O Matador talvez seja o longa mais anti-convencional que o cinema já viu nos últimos tempos (tirando, claro, qualquer coisa que traga os gloriosos nomes dos senhores Spike Jonze, Charlie Kaufman e Michel Gondry). E quando uso o termo anti-convencional, quero dizer que o roteiro, escrito pelo próprio Shepard, parece obra de moleque encapetado. A todo momento, a trama te faz acreditar que seguirá por um caminho, para em seguida mudar totalmente seu rumo e ainda zombar da tua cara (!). E não são reviravoltas previsíveis; são coisas que não tem NADA A VER! Reações absurdas, personagens tão prolixos quanto cativantes, diálogos surreais, situações inconcebíveis…

O próprio gênero é um mistério: você nunca sabe se estamos falando de uma sutil comédia nonsense, de um longa apoiado num humor negro cru, de um drama mexicano (daí o trocadilho do título original, The Matador) ou de uma trama policial meio maluquinha.

Então beleza. Voltemos ao princípio de tudo para conhecer a história. Sim, a tal história. Um assassino e um vendedor ambulante cruzam-se em um bar. É, basicamente isso. O tal bar fica na Cidade do México; o assassino é o americano Julian Noble (Pierce Brosnan, Ladrão de Diamantes), matador profissional frio, insensível, viciado em álcool e mais viciado ainda em mulheres; e o vendedor é Danny Wright (Greg Kinnear, Ligado em Você), ingênuo, atrapalhado e também americano, que está na Cidade do México para tentar fechar um negócio e, com isto, tirar a sua vida e a de sua esposa Bean (Hope Davis, a esposa de Harvey Pekar em Anti-Herói Americano) do buraco. Julian não agüenta mais sofrer com a falta de amigos. Fica deprimido quando esquece seu próprio aniversário (!) e resolve encher a cara de margueritas no bar, onde conhece, bate um papinho e faz amizade com Danny Wright. E então… se quiser saber o resto, vá ao cinema, oras! :-D

Claro que esta não é nem a ponta do criativíssimo roteiro de O Matador. E embora pareça que não, o desenrolar da trama realmente foge de todo e qualquer clichê ou estereótipo que envolva as figuras desta categoria de personagens. Só para citar um exemplo, comento que eles NÃO se tornarão uma “antidupla” forçada a manter-se lado a lado por circunstâncias terceiras, como Bruce Willis e Matthew Perry no divertidinho Meu Vizinho Mafioso. Sim, Julian Noble entregará o jogo a Danny Wright, numa cena já estragada no trailer, mas a reação deste segundo não tem nada, eu digo, NADA de batida. E não, Danny não será convertido no “parceiro cômico” do matador sanguinário de bom coração. Esta jogadinha de quase entregar um paradigma e mudar de rumo no último momento está presente do início do longa até sua introspectiva e de certa forma surpreendente conclusão. :-D

Por outro lado, este lance todo talvez seja certamente o “efeito-repelente” naqueles que procuram uma diversão mais facilmente digestível. O Matador é ácido, estúpido, cheio de piadas sacanas e por muitas vezes cruéis – em certo momento, por exemplo, Julian Noble interrompe a triste história do falecido filho pequeno de Danny para contar uma anedota sobre um homem com um pênis de 38 cm (???). E no meio disto tudo, alguns tiros são distribuídos e uma trama bem dramática de amizade e traição é contada ao fundo. Quem olhar O Matador com “visão de cinema-pipoca” (ou seja, historinha rasteira e ponto), perderá boa parte das piadas.

A maior piada (e diga-se de passagem, a melhor coisa do filme), aliás, responde pelo nome de Pierce Brosnan. Precisando urgentemente de um bom papel para livrar-se do estigma 007, Brosnan encontrou aqui uma antítese perfeita de seu James Bond, um personagem sujo, chulo, vulgar, com um bigodinho horroroso e um hilário jeitão de Jack Nicholson misturado com o Tom Selleck de Magnum (!?!), mas totalmente amável e conquistador. A perfeição da escolha de Brosnan para o papel é notável com apenas uma seqüência, a antológica cena do “prove que você é um assassino” na tourada. Se O Matador funciona que é uma beleza, muito de seu mérito pertence ao ator.

Huh, então vale a pena gastar meu suado punhadinho de moedas num ingresso para este longa, você se perguntou? É difícil responder. Para mim, valeu cada centavo, e já espero ansioso por sua chegada em DVD para incrementar minha coleção. E na sessão na qual marquei presença, notei reações favoráveis e também adversas. Assim, digo que vale a pena, mas desde que o espectador enfrente a sessão consciente de que não assistirá a qualquer filme-padrão, e sim uma película muito, mas muito excêntrica, e que não segue tendência alguma.

Um comentário pessoal: olha, como é regozijante saber que ainda existem talentos no cinemão gringo dispostos a nadar contra a corrente. Já que ninguém me dá dinheiro pra dirigir meus próprios filmes… Azar o deles! Perderão ótimos longas roteirizados e comandados por mim! Er… Pensando bem, respirem aliviados com isto. :-D

CURIOSIDADES:

• As cenas passadas em Budapeste (Hungria), Manilla (Filipinas) e em Denver (Estados Unidos) foram todas rodadas na Cidade do México, onde ambienta-se boa parte da ação de O Matador. O mais curioso é que todas as cenas supostamente ambientadas em outros países não foram rodadas em estúdio, e sim em locações: um ou outro elemento do cenário era maquiado, de modo a parecer tratar-se de outro país.

• Na seqüência em que Julian diz a Danny que precisa ir ao Arizona, é possível perceber que o relógio de parede não avança no tempo, e sim retrocede (?). Não, não há nenhum significado metafórico, apenas um engraçadíssimo erro de continuidade. :-)

THE MATADOR • EUA/ALE/IRL • 2005
Direção de Richard Shepard • Roteiro de Richard Shepard
Elenco: Pierce Brosnan, Greg Kinnear, Hope Davis, Philip Baker Hall, Dylan Baker, Adam Scott, Portia Dawson.
96 min. • Distribuição: Alpha Filmes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: